É com muita alegria que nós compartilhamos com você o resumo do que foi falado na EBD em nossa igreja!

A Revista da Convenção Batista Fluminense, Palavra e Vida( Ano 15 - n° 59 - Outubro/Dezembro - 2018 ), está debatendo o tema: "Fruto do Espírito - a verdadeira liberdade!"
A revista desse trimestre foi escrita pelo Pr. Robert Julião da Silva e vem com uma proposta que não é nova: a liberdade em Cristo!

Vamos ao resumão!

Lição 4!

"Você pode amar os não amáveis!"

Está escrito em Gálatas 5 .14:

"Pois toda a lei se cumpre numa só palavra, a saber: Amarás ao teu próximo como a ti mesmo". - Versão Bíblia JFA Offline

   Deus quer que amenos o próximo, não apenas apenas gostar da pessoa, mas sim "decidir e querer o bem da outra pessoa", independente de ela ser amável ou não, de ela tratar bem ou não ou se ela faz mal ou não.

1° Mantendo hábitos, atitudes e relacionamentos espirituais!

   Sem um relacionamento com o Espírito Santo, nossos hábitos espirituais serão apenas práticas religiosas mecânicas, e sem uma atitude cristã, não passaremos de crentes nominais indefectíveis como os fariseus, opositores de Jesus, ou líderes desleais a Cristo e à sua causa, como Judas Iscariotes. Com quem você anda? Quem influência você? O que você faz com frequência? O que você rejeita, mesmo que deseje? Como você age ou reage diante de uma vitória contra a tentação ou diante da maldade de alguém contra você!

2° Reconhecendo que Deus é amor e está em nós!

   Paulo recomenda que vivamos debaixo da vontade do Espírito, sob Seu domínio, vencendo as inclinações naturais que temos para o pecado. O apóstolo afirma que só é possível a vitória sobre as tentações, se vivermos pelo Espírito, ou seja, se o Espírito viver em nós e nos controlar, consequentemente, Ele vai produzir o Seu fruto em nossas vidas, e o fruto do Espírito é amor!

   O amor é fruto do Espírito, mas precisa ser cultivado por nós, tem origem em Deus, mas cresce em proporção às condições que oferecemos a este crescimento, em nosso viver diário. O amor vem de Deus, mas cresce em nós e amadurece nas circunstâncias. Não podemos comparar o fruto com as obras, com o trabalho, com o esforço. A maturidade cristã é consequência/resultado de um investimento diário, passo a passo, que fazemos em nosso relacionamento com Deus.

   Andamos no Espírito e o fruto se manifesta, crescendo de acordo com nossas decisões e atitudes, amadurecendo de acordo com as circunstâncias da nossa vida. Das nove virtudes deste fruto, três estão relacionadas ao nosso relacionamento com Deus (amor, alegria, paz), outras três estão ligadas ao nosso relacionamento com o próximo (longanimidade, benignidade, bondade) e outras três têm a ver com o nosso relacionamento com nós mesmos (fidelidade, mansidão, domínio próprio).

   O amor está em nós, porque Deus já o derramou em nossos corações, através do Seu Espírito que passou a morar em todos que receberam o presente da vida eterna, só crer que Jesus pagou nossa dívida com Deus e nós abriu o caminho para Deus. Como Deus nos capacitou com o Seu amor, Ele orienta que nosso relacionamento seja norteado por este amor, tanto para com Ele, quanto para com o próximo, quanto para conosco mesmo. O verdadeiro cristão decide amar o próximo seja na família, na sociedade e inclusive na Igreja, o crente que não ama o seu irmão, não ama a Deus!

3° Desenvolvendo uma atitude amorosa!

   Para vencer suas fraquezas, que tal deixar-se encher pelo Espírito, para que Ele aja sobrenaturalmente em seu interior, mostrando o caráter de Cristo aos outros, para que as qualidades de Cristo, que foram implantadas em nós (amor, alegria, paz) apareçam mais e mais na sua vida de modo que a sua luz brilhe diante dos homens para que eles vejam as suas suas boas obras e gloriquem ao seu Pai Celeste. Por isso, afirmo: você pode amar os não amáveis, o poder que ressuscitou Jesus Cristo está em você e este poder pode moldar você, a imagem de Cristo, mediante o processo de amadurecimento. Mas como foi dito, Deus não trabalha sozinho, o seu Espírito produz o fruto em nós e as circunstâncias amadurecem o fruto em nós. Portanto, nossas atitudes e nossas decisões favorecem ou dificultam o crescimento do fruto em nós.